domingo, 28 de dezembro de 2014

Mesureiro





O que faz muitas mesuras, respeitoso, cerimonioso, reverente, acenando com a cabeça.
Esta palavra parece derivar de Mezuzá e das respectivas vénias feitas pelos judeus ao entrarem em casa.






Retirado do livro: “Gente da Nação além e aquém do
 Côa, Judeus Sefarditas”, Pág.240.




segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Centro de Memória Judaica em Vila Nova de Paiva pronto em 2016








18-12-2014 14h09
 Agência Lusa 



Vila Cova à Coelheira, Viseu, 18 dez. (Lusa) - O Centro de Memória Judaica de Vila Cova à Coelheira, no concelho de Vila Nova de Paiva, que integra um projeto da Rede de Judiarias, deverá estar concluído em 2016, disse hoje o presidente da Câmara, José Morgado.

O autarca explicou que as obras no edifício e arranjos exteriores - um projeto de 200 mil euros apoiado pelo Proder - ficarão prontas até ao final deste ano.

Paulo Celso, um dos responsáveis pela estratégia museográfica do Centro de Memória Judaica de Vila Cova à Coelheira, explicou que vai agora começar "um trabalho de investigação que tem como objetivo a produção de conteúdos", envolvendo uma equipa de mais de 20 pessoas.

"Estas memórias de origem judaica, como todas as outras memórias que fazem parte da nossa herança ancestral e cultural de base judaico-cristã, são sempre importantes preservar, não só para as nossas gerações, mas também para as vindouras", frisou.

Segundo o responsável, trata-se da "construção da história de uma comunidade com base em testemunhos diretos e documentais e, sobretudo, com base num núcleo histórico e urbano que Vila Cova à Coelheira tem e que, nalguns casos, ainda está bastante preservado".

Segundo Paulo Celso, este será "um projeto inovador", que seguirá as novas estratégias museográficas "que aliam conteúdos de alta qualidade, de trabalho sério e profissional de investigação com as novas tecnologias".

Jorge Oliveira Pinto, autor da obra "Vila Cova à Coelheira - um encontro com a história", referiu que não se sabe ao certo em que século os primeiros judeus chegaram à freguesia.

"Sabemos sim que, fazendo fé na memória do povo, teria havido uma sinagoga", explicou, contando ser essa a designação atribuída a um edifício situado num dos bairros mais antigos, o que faz crer que antes de 1497 já aí residiam judeus.

Na pesquisa que fez para a sua obra identificou diversos processos inquisitoriais, "sendo que, pelo menos, cinco pessoas foram queimadas em autos de fé".

"Os frutos da violenta perseguição surtiram efeitos de tal forma que, em Vila Cova à Coelheira, só no terceiro quartel do século XX se conseguiu por fim ao estigma racial que tão mal fez a esta terra e às suas gentes", acrescentou.

Ainda hoje, os habitantes da freguesia são conhecidos na região como "os judeus de Vila Cova".



AMF // SSS

Lusa





Via: portocanal.sapo.pt




terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Desejamos a todos vós...




Chag Sameach Chanuká!



Pintura de Eden Chorouki

Lápide em Torres Vedras




Poucas lápides de cemitérios judeus nos chegaram até hoje, isto porque após 1497, a grande maioria dos jazigos hebraicos foram simplesmente profanados, suas lápides partidas, retiradas ou mesmo reutilizadas como aconteceu com o cemitério judeu de Lisboa, onde muitas das pedras tumulares foram reaproveitadas na construção do Hospital  Real de Todos os Santos, (construído entre 1492 e 1504).






Maqueta do  antigo Hospital.




Segundo a historiadora Maria José Ferro Tavares, as lápides judaicas que sobreviveram até à actualidade, foi porque as mesmas foram objecto de uma reutilização cristã.

Caso único na Península, é a lápide que está exposta ao público no Museu Leonel Trindade em Torres Vedras.





Estelas funerárias no Museu Municipal Leonel Trindade.

(A estela representando as Tábuas da Lei, a segunda a contar da esquerda - primeira fila).

Foto de C@rlos B@ptista






quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Dia Internacional do Ladino - Argentina









Comemorando o Dia Internacional do Ladino em Chanucá

Recital de Liliana Benveniste e seu grupo em AMIJAI.

Mostra de canções sefarditas tradicionais e modernas, com uma "pitada" de sabor dos judeus da bacia do Mediterrâneo.

Músicos: Adrian "Colo" Mirchuk, Uriel Kitay, Horacio Cacoliris
Domingo 21 de Dezembro, 19h30 - (Argentina).
No dia 6 de vela de Chanucá.

 Você pode comprar comida sefardita.
Arribeños 2355, Buenos Aires
Tel. +54 11 4784-1243

comunidad@amijai.org / eSefarad@eSefarad.com


Entrada livre





segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

18 Dezembro | SAVE THE DATE!




Tradicional acendimento público

da vela de chanuka 5775


Apareça com a sua família e amigos.
Participe! J


Dia 18  de dezembro
5ª Feira | 19.30 hrs
 vela de chanuka


sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Shabat Shalom









Saudades de Jerusalém






"Delícia do mundo, cidade dos Reis, no Oeste longínquo, o meu coração chora saudades tuas.
Entristeço ao recordar como eras.
Agora a tua glória é finda, as tuas casas destruídas.
Se eu podesse voar para ti nas asas das águias,
Encharcaria o teu solo com as minhas lágrimas".



Yehudah ha-Levi (1080-1141)
Rabino, filósofo e poeta espanhol do século XII. 



quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Filipe Montalto




Este médico português nasceu em Castelo Branco no ano de 1567, filho dos cristãos-novos António Aires e Catarina Aires, era sobrinho-neto do famoso médico Amatus Lusitanus.
Estudou medicina em Salamanca e, devido aos tempos difíceis que os conversos viviam por estas bandas, resolveu partir para o estrangeiro, primeiro para Livorno e posteriormente para Paris, onde foi médico na corte do rei Henrique IV.
Filipe Montalto voltará novamente para Itália, tendo sido convidado para ser professor em Bolonha, Pádua e Pisa, mas recusou sempre os convites, fixando-se mais tarde em Veneza, onde defendeu a prática do judaísmo de "cara descoberta".
É de referir, que ele foi o único médico judeu oficialmente autorizado pelo Papa, a exercer a arte da medicina na qualidade de físico de Maria de Médicis, mas o português só aceitou este convite da regente de França, perante a condição de ser acompanhado pela esposa e de dois dos seus filhos, mais um seu discípulo, Saul Levi Morteira. Montalto regressou a Paris no Outono de 1612.
Filipe Montalto morrerá no dia 19 de Fevereiro do ano de 1616, em Tours, França.
Por ordem de Maria de Médicis, o corpo do médico é embalsamado e transladado para Amesterdão, por Josué de Luna, um parente português do falecido, e por Saul Levi Morteira. Foi enterrado no cemitério de Oudekerk, terreno comprado pela comunidade judaica portuguesa.








Cemitério judeu sefardita Beth Haim, Oudekerke - Holanda.
Fotos - amstelveenweb.com (2007).



Após a sua saída de Portugal no final do século XVI, Montalto tornou-se num judeu praticante fervoroso, chegando mesmo em Livorno em 1599 a influenciar um jovem português de nome Paulo de Pina, a converter-se à fé judaica.




Fontes:
pvrooden/Peter/publicaties
Jewish Encyclopedia"
www.jewishencyclopedia.com




quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Conferência Internacional - Lisboa




Livro de Arte Sefardita do século XV

Lisboa, Biblioteca Nacional de Portugal, de 25 a 27 de Fevereiro de 2015







Fonte: http://hebrewilluminationinportugal.weebly.com/conference-2015.html




domingo, 23 de novembro de 2014

Sinagoga de Tomar vai ser recuperada e revitalizada








por João Baptista em 18 de Novembro de 2014



No próximo ano, a Sinagoga de Tomar, monumento nacional classificado desde 1921, vai entrar em obras, com vista a dar àquele espaço as condições necessárias para cumprir devidamente a sua função, ele que é um dos monumentos mais visitados da cidade. A apresentação das ideias para o futuro do templo hebraico, construído em meados do sec. XV, sendo assim o mais antigo actualmente existente em Portugal, foi feita ontem na sessão que juntou no salão nobre do Município a embaixadora de Israel, o primeiro secretário da embaixada da Noruega e o secretário-geral da Rede de Judiarias de Portugal.


A primeira fase da obra, que consistirá na recuperação física do edifício, será apoiada pelo reino da Noruega, através do fundo EE Grants, no valor de 150 mil euros. Posteriormente, pretende-se recuperar todo o conjunto arquitectónico, incluindo a zona de banhos rituais, que está preservada tal como ficou aquando das escavações arqueológicas, de modo a torná-la também visitável e a acolher todo o espólio do Museu Luso-Hebraico Abraão Zacuto, actualmente disperso entre os arquivos municipais, o Instituto Politécnico e a própria Sinagoga.
Ontem, numa sessão muito participada, a presidente da Câmara, Anabela Freitas, realçou a importância do momento que fica a simbolizar a aposta efectiva da edilidade num dos seus mais importantes legados históricos, mas que não se limita a esta obra, passando também por um estreitar de relações com Israel e com toda a comunidade judaica, constituindo mais um dos pontos das rotas e redes históricas onde Tomar já se encontra e pretende a vir a estar presente, numa perspectiva de valorização do território e do seu potencial.
Jorge Patrão, dirigente da Rede de Judiarias, que integra 27 municípios, entre os quais Tomar, explicou o âmbito das “Rotas de Sefarad”, projecto global de valorização do legado judaico em território nacional, no qual se inclui a Sinagoga de Tomar.
Bent Bakken, representante da embaixada da Noruega, manifestou a vontade do seu país em cooperar com Portugal e a importância do apoio a vários projectos da Rede de Judiarias como forma de redimir erros anti-semitas do passado.
Muito feliz com a iniciativa estava, naturalmente, a embaixadora de Israel, Tzipora Rimon, que salientou também a importância da Sinagoga de Tomar no contexto nacional e mesmo internacional e frisou o estreitamento de relações com o concelho que este momento proporcionou. A diplomata, aliás, chegou a Tomar ainda de manhã, tendo sido recebida pela presidente e vereadores, numa reunião que serviu também para abordar assuntos económicos e outros do interesse de ambas as partes.
A cerimónia incluiu ainda uma apresentação genérica do âmbito histórico e museológico da Sinagoga e das ideias para o projecto de recuperação, que deverá estar concluído até final do ano.
Seguiu-se uma visita à Sinagoga e também ao Instituto Politécnico, igualmente parceiro do Município na revitalização e valorização da memória sefardita em Tomar, e ao cuidado do qual está neste momento a biblioteca judaica que se encontrava em condições precárias no edifício anexo ao templo.




Fotos: http://www.conventocristo.pt






Via: http://www.oribatejo.pt/2014/11/18/sinagoga-de-tomar-vai-ser-recuperada-e-revitalizada




segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Sugestão literária.





Vítimas e assassinos numa 
 Lisboa emaranhada na peste negra e no
 fanatismo religioso.






Da editora Aletheia




domingo, 16 de novembro de 2014

Dia 17 de Novembro





Seminário – palestra com Marina Pignatelli


 CENTRO EM REDE DE INVESTIGAÇÃO EM ANTROPOLOGIA (CRIA)


fcsh-unl . fct-uc . iscte-iul . uminho
Sede/Office:
Av. das Forças Armadas, Ed. ISCTE-IUL
1649-026 Lisboa | Portugal
T: (+351) 217 903 917

E: cria@cria.org.pt
W: http://cria.org.pt/site










Citação talmúdica









"Teu amigo tem um amigo, e o amigo do 
teu amigo tem outro amigo, por isso, sê discreto".


Talmude



terça-feira, 11 de novembro de 2014

Castelo Branco - Judiaria








 Rua da Misericórdia - Actual n.º12 - Portado Ogival - Sécs XIV a XV.


DIAS, Jaime Lopes
Desenhos de Canelas 1932 - Actas do 1.º Congresso Beirão

Castelo-Branco; Judiaria; Rua da Misericórdia; In Desenhos Canelas 1932; Actas do 1º Congresso Beirão; Dr.Jaime Lopes Dias; Portado Ogival; Estrela de David; Secs XIV-XV.



Cátedra "Alberto Benveniste" » Centro de Documentação




Edição conjunta da Cátedra «Alberto Benveniste» e da Rede de Judiarias de Portugal - Rotas de Sefarad








 "Queimar Vieira em Estátua", por Herman Prins Salomon


Ficha bibliográfica:


Queimar Vieira em Estátua. As Apologias (1738, 1743) do Senhor Inquisidor António Ribeiro de Abreu. Em Resposta às Notícias Recônditas atribuídas ao Padre António Vieira (1608-1697). Dois MSS até agora inéditos: transcritos, anotados e introduzidos por Herman Prins Salomon. Prefácio de António Feijo. Lisboa, Belmonte, Cátedra de Estudos Sefarditas «Alberto Benveniste» da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Rede de Judiarias de Portugal – Rotas de Sefarad, 2014.








sábado, 8 de novembro de 2014

Convite





Tomar - dia 17 de Novembro, pelas
15h00










Sinagoga de Tomar
Fotografia de Rafael Baptista




Via: redejudiariasportugal.com




Judenga









Imposto de 30 dinheiros tributado aos judeus, numa alusão aos mesmos trinta dinheiros que o Sinédrio, (Sanhedrin) teriam pago a Judas Iscariotes.

As comunidades hebraicas pagavam também o imposto da "Capitação, Siza, Portagens e a Dízima".





Excelente semana para todos os nossos leitores.





SHAVUA TOV!



terça-feira, 4 de novembro de 2014

Saragoça - Espanha








De 24 a 27 de Novembro, terá lugar o "Dia da Cultura Judaica em Saragoça", com entrada livre e organizado pela AC Sefarad Aragão, que oferece ao público a seguinte programação: 


Segunda-feira, dia 24 pelas 19h00 na Fnac Praça de Espanha, conferência,"O mundo sefardita ao longo do século XX, continuidade e mudança." 
Terça-feira, dia 25 das 18h30 às 19h30, no Centro Cultural Salvador Allende, "Kabbalah, o Zohar, leitura e comentário". 
Quarta-feira, dia 26 pelas 20h00 na Livraria Certeza, leitura do livro, "O Pequeno Príncipe em ladino". Quinta-feira dia 27, às 19h00, no Centro Joaquín Roncal,  "O hebraico e outras línguas faladas pelos judeus ao longo da história". 





Mais informações: sefarad.aragon@gmail.com.


Via:www.sefaradeditores.com 



quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Processos







Processo de Maria Cardosa


Tribunal do Santo Ofício, Inquisição de Lisboa, proc. 9392 Acusada de Judaísmo, é natural e moradora em Tões, termo de Armamar, Bispado de Lamego, tem 16 anos de idade e por ser menor de 25 foi-lhe nomeado Curador Filipe Neri, capelão dos cárceres da penitência, filha de Manuel Carvalho, cristão velho, almocreve, natural de São Romão, e de Domingas Cardosa, parte de cristã-nova, natural de Tões, onde são moradores, que o seu avô materno se chamava António Cardoso, é solteira, contém inventário de bens, foi presa a 20 de Setembro de 1733, tendo sido sentenciada em Auto de Fé, realizado na igreja do Convento de São Domingos, em Lisboa, no dia 24 de Julho de 1735, com as penas de ir ao Auto de Fé na forma costumada, onde abjure em forma os seus erros heréticos, tenha cárcere e hábito penitencial a arbítrio dos inquisidores, espirituais e instrução na Fé. Da excomunhão de que incorre seja absolvida. Recebeu Termo de Ida ( deportação ) e Penitências a 08 de Agosto de 1735.


Processo de Salvador Rodrigues de Faria


Tribunal do Santo Ofício, Inquisição de Lisboa, proc. 9395 Acusado de Judaísmo, é mineiro, natural do Rio de Janeiro e morador nas Minas de Jeroca, termo do Rio de Janeiro, tem 37 anos de idade, filho de Simão Farto Dinis, mercador, e de Luzia Rodrigues de Faria, ambos naturais do Rio de Janeiro e ele morador na Roça de Bacobaiba e ela na Jeroca, que os seus avós paternos se chamavam António Farto Dinis e Catarina Gomes, e o avô materno, Diogo Rodrigues de Faria, é solteiro, foi preso a 07 de Dezembro de 1734, tendo sido sentenciado em Auto de Fé, realizado na igreja do Convento de São Domingos, em Lisboa, sem data, com as penas de ir ao Auto de Fé na forma costumada, onde abjure em forma os seus erros heréticos, tenha cárcere e hábito penitencial perpétuo, tenha penas e penitências espirituais e instrução na Fé. Da excomunhão de que incorre seja absolvido. Recebeu Termo de Ida ( deportação ) e Penitências a 16 de Agosto de 1735.


Processo de Manuel Fernandes, meio cristão-novo


Tribunal do Santo Ofício, Inquisição de Lisboa, proc. 10184 Acusado de Judaísmo, é marinheiro, natural e morador em Buarcos, tem 33 anos de idade, filho de Manuel Fernandes Porto, cristão velho, marinheiro, e de Maria Jacome, cristã-nova, que o seu avô paterno se chamava Simão Fernandes, e os avós maternos, João Afonso e Inês Anes, é solteiro, apresentou-se a 21 de Outubro de 1675. Não contém sentença, tendo recebido termo de ida ( foi deportado ) para Buarcos e penitências a 11 de Novembro 1675. Foi cativo para Argel.


Processo de Brás de Valadares


Tribunal do Santo Ofício, Inquisição de Lisboa, proc. 12724
Quarto de cristão-novo, acusado de Judaísmo, confeiteiro, natural de Beja, morador em Sevilha, no Reino de Castela, residente em Lisboa, de 28 anos de idade, filho de Simão de Valadares e Joana Baptista , solteiro e teve Termo de ida ( foi deportado ) no dia 26 de Junho de 1671.


Resumo do processo contra Guiomar de Leão


Estatuto Social: Cristã-Nova
Crime/Acusação: Judaísmo; Heresia; Apostasia
Naturalidade: Bragança
Situação Geográfica (Naturalidade): Bispado de Miranda
Morada: Bragança
Situação Geográfica (Morada): Bispado de Miranda
Código Idade: + Ou - 60 Anos
Pai: João de Sória, Mercador
Mãe: Isabel Pereira
Estado Civil: Viúva
Nome do Cônjuge: João Serrão, Tendeiro, Mercador, Rendeiro
Mais vítimas da inquisição


Maria Fernandes de Aguilar


Maria Fernandes de Aguilar nasceu cerca de 1611 declarando a 24.12.1664 ter 55 anos de idade. Presa nos cárceres da inquisição de Évora acusada de judaísmo.
Casou com Diogo Mexia, «o bonito», cristão-velho morador em Campo Maior em 1664, filho de Francisco Mexia e de sua mulher Isabel Fernandes referidos acima.
Catarina Rodrigues Cacela


Resumo dos processos inquisitórios contra a família Chaves


LUÍS DE CHAVES, mercador, trapeiro, ou paneiro, natural de Múrcia, (Castela – Espanha), vivia em Trancoso em 1639 e em 1642 já era casado com INÊS NUNES ou Rodrigues, natural do Teixoso ou de Múrcia, filha de Jerónimo Nunes, paneiro e mercador e de Beatriz Rodrigues.


Resumo do processo inquisitório contra Leonor Rodrigues


Leonor Rodrigues, teve processo na Inquisição (Coimbra, proc. 881), a 09/11/1663-10/03/1685, acusada de Judaísmo; Heresia; Apostasia. Casou em 26 de Julho de 1645 com Álvaro Guterres Pacheco.


Resumo do processo inquisitório contra João


Estatuto Social: Cristão-Velho; Pastor
Crime/Acusação: Proposições heréticas
Naturalidade: Celorico (da Beira)
Situação Geográfica (Naturalidade): Bispado da Guarda
Morada: Torre de Moncorvo
Situação Geográfica (Morada): Arcebispado de Braga
Código Idade: + Ou - 24 Anos
Pai: Afonso Gonçalves, Lavrador
Mãe: Isabel Pires
Estado Civil: Solteiro
Data da Prisão: 31/10/1597


Resumo do processo inquisitório contra Beatriz Henriques


Estatuto Social: Cristã-Nova
Crime/Acusação: Judaísmo; Heresia; Apostasia
Naturalidade: Torre de Moncorvo
Situação Geográfica (Naturalidade): Arcebispado de Braga
Morada: Vila Flor
Situação Geográfica (Morada): Arcebispado de Braga
Pai: António Henriques
Mãe: Filipa Rodrigues
Estado Civil: Casada
Nome do Cônjuge: João Lopes, Tratante
Data da Prisão: 01/12/1583




Fonte: Cafetorah